musicas.mus.br

Letras de músicas - letra de música - letra da música - letras e cifras - letras traduzidas - letra traduzida - lyrics - paroles - lyric - canciones - SILêNCIO (PART. DRIK) - PROJOTA - música e letra

Utilize o abecedário abaixo para abrir as páginas de letras dos artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Silêncio (part. Drik) letra


A vida continua só não sei pra onde vai
Ela acelera e panzz sai
E eu digo don't cry nosso povo precisa da nossa voz
Até o final desse rap morrerão mais dez de nós
É nossa sina, nosso carma, como os ancestrais
Se a vida ensina uma morte ensina bem mais
Mas se o conhecimento depende da perda e da distância
Eu preferia poder seguir na ignorância
Poucos homens são reis, todos os homens são réus
A odalisca te conquista, sem descer os véus
Enxergue através desse luxo no lixo verá
Comporte-se então como bicho e um bicho será
O plano é dividir a terra pros irmãos
Mas sempre fica cego o lavrador que traz os grãos
Entre dividir e assim ficar, ou iludir e triplicar seus grãos
Nasce a corrupção e lavam-se as mãos
Quando lutarmos nessa guerra unidos de fato
Seremos legião urbana mesmo sem renato
Façamos um trato, devolvam nossas vidas, e eu me calo
Neguim pega as arma no mato

Silêncio
Diz a placa do hospital
Na UTI o nosso mano tá mal
E eu mereço mais, bem mais
Que o silêncio que diz a placa do hospital
Me permita dizer que eu mereço mais, bem mais

Calem-se, falem-se
Imprescindível for a indefinível cor do indestrutível rancor
Impossível ser melhor
Se o pior que existe em nós é canalizado, entubado
Pra ser atirado contra os boys
Vão, quatro pretos em um chevette
Mãos pra cima se repete, perna aberta, coronhada
Joelhada, teti-a-teti pega nada
Encomenda chegou hoje de manhã de mobillete
Você já sonhou com tudo e acordou com nada?
Forjei meu próprio escudo, contra a minha própria espada
A imagem do meu povo é uma tia cansada, calejada
Dessas que cê logo vê tem cara de empregada
Terra dourada, ó pátria amada mãe gentil
Escondeu tanta merda que a privada entupiu
Se transformou num rio de fezes
Essas fezes são arremessadas contra o próprio povo
Que te construiu
O fazendeiro desconhece o nosso tamanho
Já tá na hora da revolta do rebanho
Agora é nossa vez, os moleque tão na sede
Pra cobra e eu não queria tá na pele de vocês

Silêncio
Diz a placa do hospital
Na UTI o nosso mano tá mal
E eu mereço mais, bem mais
Que o silêncio que diz a placa do hospital
Me permita dizer que eu mereço mais, bem mais

Projota - Letras

©2003 - 2018 - musicas.mus.br